Digite seu E-mail:

Assine o Feed

42 Falsos Ataques Terroristas (Falsa Bandeira) Admitidos por autores

42-falsos-ataques-terroristas-falsa-bandeiras

42 exemplos de Ataques de Falsa Bandeira

Os governos em torno do mundo já admitiram que eles ô fazem.

Há muitos ataques de falsa bandeira documentados, em que um governo leva a cabo um ataque terrorista contra seu próprio povo... e então falsamente acusa seu inimigo para fins políticos.

Nos 42 casos seguintes, funcionários de governos que realizaram os ataque (ou seriamente proporam um) admitiram isso, oralmente ou por escrito e hoje é muito normal e comumente usado pelos EUA e Israel em suas políticas macabras expansionistas, sempre acusando os povos árabes.

(1) as tropas japonesas desencadearan uma pequena explosão em um trilho de trem em 1931, e falsamente culpou a China, a fim de justificar a invasão da Manchúria. Isto é conhecido como o "Incidente de Mukden" ou o "Manchurian Incident". Em Tokyo no Tribunal Militar Internacional no encontro: "Muitos dos participantes na do plano, incluindo Hashimoto [um oficial de alta patente do exército japonês], em várias ocasiões admitiu sua parte na trama e afirmaram que o objeto do" incidente "foi para dar uma desculpa para a ocupação da Manchúria pelo exército Kwantung ... ". E vejam isso.

(2) Um importante SS nazista admitiu nos julgamentos de Nuremberg que - sob ordens do chefe da Gestapo - ele e alguns outros agentes nazistas falsificaram ataques contra seu próprio povo e os recursos que foram atribuídos nos poloneses, para justificar a invasão da Polônia.

(3) Franz Halder também testemunhou nos julgamentos de Nuremberg que Hermann Goering líder nazista admitiu ter ateado fogo ao edifício do parlamento alemão, em 1933, e, em seguida, falsamente culpou os comunistas pelo o incêndio.

(4) o líder soviético Nikita Khrushchev admitiu por escrito que o Exército Vermelho da União Soviética bombardeou a aldeia russa de Mainila em 1939 - e culpou o ataque à Finlândia - como base para o lançamento da "Guerra de Inverno" contra a Finlândia. O Presidente russo Boris Yeltsin depois concordou que a Rússia tinha sido o agressor na Guerra de Inverno.

(5) O Parlamento russo, atual presidente russo Putin e o ex-líder soviético Gorbachev todos admitiram que o líder soviético Joseph Stalin ordenou sua polícia secreta a executar 22.000 oficiais do exército polonês e civis em 1940, e falsamente culpou os nazistas.

(6) O Governo britânico admitiu que - entre 1946 e 1948 – foi bombardeado 5 navios de transporte de judeus que tentaram fugir do Holocausto em busca de segurança na Palestina, criou-se um grupo falso chamado de "Defensores da Palestina árabe", e, em seguida, o psuedo grupo afirmou falsamente responsabilidade pelos atentados (e ver>este, este e este).

(7) Israel admitiu que, em 1954, uma célula terrorista israelita operou no Egito colocando bombas em vários edifícios, incluindo instalações diplomáticas US, em seguida, deixaram para trás "evidências" implicando os árabes como os culpados (uma das bombas explodiu prematuramente, permitindo que os egípcios identifica-se os bombardeiros, e vários dos israelenses confessaram mais tarde) (ver este e este).

(8) A CIA admite que contratou iranianos em 1950, para posar como comunistas em bombardeios no Irã, a fim de converter o país contra seu primeiro-ministro democraticamente eleito.

(9) O primeiro-ministro turco admitiu que o governo turco realizou em 1955 um bombardeio em um consulado turco na Grécia - também danificar uma região perto da fundado Turquia moderna - e culpou a Grécia, com a finalidade de incitar e justificar violência anti -Grega.

(10) O primeiro-ministro britânico admitiu para seu secretário da Defesa que ele e o presidente americano Dwight Eisenhower aprovaram um plano em 1957 para realizar ataques na Síria e culpar o governo sírio como uma forma de efetuar a mudança de regime.

(11) O ex-primeiro-ministro italiano, um juiz italiano, e o ex-chefe da contra-espionagem italiana admitir que a OTAN, com a ajuda do Pentágono e da CIA, levaram a cabo atentados terroristas na Itália e outros países europeus na década de 1950 e culpou os comunistas, a fim de conseguir o apoio das pessoas para seus governos na Europa na sua luta contra o comunismo. Como um participante neste programa anteriormente secreto declarou: "Você tinha que atacar civis, pessoas, mulheres, crianças, pessoas inocentes, pessoas desconhecidas bastante distantes do jogo político. A razão era muito simples.

Eles deveriam forçar essas pessoas, o público italiano, a recorrer ao Estado para pedir maior segurança "(e ver este) (Itália e outros países europeus sujeitos a campanha de terror havia se juntaram a OTAN antes dos atentados ocorrer). E assistir a este especial BBC. Eles também alegadamente efetuaram ataques terroristas na França, Bélgica, Dinamarca, Alemanha, Grécia, Países Baixos, Noruega, Portugal, Reino Unido e outros países.

(12) Em 1960, o senador americano George Smathers sugeriu que lançassem nos EUA "um falso ataque feito em Guantánamo Bay (Base Militar dos EUA em Cuba), que daria o apoio de mover uma luta seria dando a desculpa de invadir e [derrubar Castro]" .

(13) documentos do Departamento de Estado oficiais mostram que, em 1961, o chefe do Estado-Maior Conjunto e outros funcionários de alto nível discutiu explodir um consulado na República Dominicana, a fim de justificar uma invasão desse país. Os planos não foram realizados, mas todos eles foram discutidos como propostas sérias.

(14) Como admitido pelo governo dos EUA, documentos recentemente desclassificados mostram que, em 1962, as Joint Chiefs americanos da equipe fora assinado em um plano para explodir aviões americanos (usando um elaborado plano que envolve a troca de aviões), e também para cometeractos terroristas em solo americano e, em seguida, colocar a culpa sobre os cubanos, a fim de justificar a invasão de Cuba. Consulte o seguinte reportagem ABC;os documentos oficiais; e assistir esta entrevista com o ex-produtor Investigative Washington para ABC World News Tonight com Peter Jennings.

(15) Em 1963, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos escreveu um artigo promovendo ataques contra nações no âmbito da Organização dos Estados Americanos - tais como Trinidad-Tobago ou Jamaica - e, em seguida, falsamente acusaram á Cuba.

(16) O Departamento de Defesa dos Estados Unidos, sugeriu que secretamente pago-se uma pessoa no governo Castro para atacar os Estados Unidos: "A única área que restava a considerar, em seguida, seria subornar um dos comandantes subordinados de Castro para iniciar um ataque em Guantanamo."

(17) A NSA admite que mentiu o que realmente aconteceu no incidente no Golfo de Tonkin em 1964 ... manipulação de dados para torná-lo parecido com barcos norte-vietnamitas disparando em um navio dos EUA, de modo a criar uma falsa justificativa para a guerra do Vietnã.

(18) A comissão do Congresso dos EUA admitiu que - como parte de sua campanha "Cointelpro" - o FBI tinha usado muitos insitadores na década de 1950 até 1970 para realizar atos violentos e falsamente culpar ativistas políticos.

(19) Um top general turco admitiu que as forças turcas incendiaram uma mesquita em Chipre em 1970 e culpou o seu inimigo. Ele explicou: "Na Guerra Especial, certos atos de sabotagem são encenadas para culpa cair sobre o inimigo para aumentar a resistência pública”. Fizemos isso em Chipre; nós até mesmo queimamos uma mesquita. Em resposta a olhar incrédulo a surpresa do correspondente o general disse: "Eu estou dando um exemplo".

(20) O governo alemão admitiu (e ver este) que, em 1978, o serviço secreto alemão detonaram uma bomba na parede exterior de uma prisão e plantou "ferramentas para escape " em um prisioneiro - um membro da Fração do Exército Vermelho – assim o serviço secreto quis alvejar um bombardeio em diante.

(21) Um agente do Mossad admitiu que, em 1984, Mossad plantou um transmissor de rádio no composto de Gaddaffi em Tripoli, Líbia, para difundir falsas transmissões terroristas registrados pelo Mossad, a fim de enquadrar Gaddaffi como um apoiador do terrorismo. Ronald Reagan bombardeou a Líbia imediatamente a seguir.

(22) Um africano da Verdade do Sul e do Conselho de Reconciliação contou que, em 1989, a Agência de Cooperação Civil (um ramo secreto da Força de Defesa Sul-Africano) aproximou-se um especialista em explosivos e pediu-lhe "para participar de uma operação destinada a desacreditar o ANC [ o Congresso Nacional Africano] bombardeando o veículo da polícia do oficial de investigação sobre o incidente de assassinato ", assim enquadrar a ANC por o bombardeio.

(23) Um diplomata argelino e vários oficiais do exército argelino admitir que, na década de 1990, o exército argelino frequentemente massacrou civis argelinos e depois culpou militantes islâmicos pelas mortes (e ver este vídeo, e Agence France-Presse, 27/09 / 2002, Tribunal Francês negando provimento argelino de difamação contra o autor).

(24) Uma equipe de investigação da indonésia investigando motins violentos que ocorreram em 1998, determinou que "elementos das forças armadas estiveram envolvidos nos motins, alguns dos quais foram deliberadamente provocados". (Ver)

(25) Altos oficiais militares e de inteligência sênior russa admitiram que a KGB russa explodiu prédios de apartamentos em 1999 e falsamente culpou chechenos, a fim de justificar uma invasão da Chechênia (e ver este relatório e esta discussão).

(26) De acordo com o Washington Post, a polícia indonésia admitiu que os militares indonésios mataram professores americanos em Papua em 2002 e culpou os assassinatos á um grupo separatista Papua, a fim de obter esse grupo listado como uma organização terrorista.

(27) O ex-presidente indonésio bem respeitado também admite que o governo provavelmente teve um papel nos atentados de Bali.

(28) Conforme relatado pela BBC, o New York Times e Associated Press, as autoridades macedónias admitiram que o governo mataram 7 imigrantes inocentes a sangue frio e fingiu que eles eram soldados da Al Qaeda e tentaram assassinar policiais macedónios, a fim de juntar-se à "guerra ao terror".

(29) Altos funcionários da polícia em Gênova, na Itália admitiu que - em julho de 2001, na Cimeira do G8 em Génova - plantou dois coquetéis molotov e falsificou o esfaqueamento de um policial, a fim de justificar uma violenta repressão contra os manifestantes.

(30) Apesar de o FBI admitir agora que os ataques de antraz em 2001 foram realizadas por um ou mais cientistas do governo dos EUA , um oficial sênior do FBI diz que o FBI fez isso realmente para culpar os ataques com antraz ao Al Qaeda por funcionários da Casa Branca (Veja) (lembre-se que as cartas de antraz parecia). Funcionários do governo também confirmam que a Casa Branca tentaram ligar o antraz ao Iraque como uma justificativa para a mudança de regime no país.

(31) Do mesmo modo, os EUA falsamente culpou o Iraque em ter ligações nos ataques de 9/11 - como mostra um memorando do secretário de Defesa - como uma das principais justificativas para lançar a guerra no Iraque. Mesmo depois da Comissão de 9/11, admitiu-se que não havia conexão, Dick Cheney, disse que a prova era "esmagadora" que a Al Qaeda tinha um relacionamento com o regime de Saddam Hussein, que Cheney "provavelmente" tinham informações indisponíveis na Comissão, e que o mídia não foi "fez sua lição de casa” em relatar tais laços. Funcionários Top do governo dos EUA agora admitiram que a guerra do Iraque foi realmente forjada pelo petróleo ... no uso da desculpa das armas de destruição em massa (apesar das afirmações anteriores, muitos funcionários do governo dos EUA agora dizem que 9/11 eram um guerra ao terror patrocinado pelo Estado; mas o Iraque nunca foi o estado que apoiou os sequestradores).

(32) O ex-advogado do Departamento de Justiça John Yoo sugeriu em 2005 que os EUA deveriam ir para a ofensiva contra a Al-Qaeda, tendo "nossas agências de inteligência á criar uma organização terrorista falsa. Poderia ter seus próprios sites, centros de recrutamento, campos de treinamento e operações de captação de recursos. Podendo lançar operações terroristas falsos e reivindicar o crédito pelos ataques terroristas reais, ajudando a semear a confusão dentro das fileiras da Al-Qaeda, causando dúvida nas identidades de agentes um com outros e de questionar a validade das comunicações. "

(33) United Press International informou em junho de 2005:

Oficiais de inteligência dos Estados Unidos estão relatando que alguns dos insurgentes no Iraque estão usando a recente pistolas modelo Beretta 92, mas as pistolas parecem ter tido seus números de série apagados. Os números não parecem ter sido fisicamente removidos; as pistolas parecem ter vindo de fora de uma linha de produção, sem quaisquer números de série. Os analistas sugeriram a falta de números de série que indica que as armas foram destinados para operações de inteligência ou de células terroristas com apoio substancial do governo. Analistas especulam que essas armas são, de origens provavelmente, oriundas do Mossad ou a CIA. Analistas especulam que agentes provocadores pode estar usando as armas não rastreáveis ​​até mesmo como autoridades norte-americanas, usando nos ataques insurgentes contra civis, como prova da ilegitimidade da resistência.

(34) soldados israelenses disfarçados admitiram em 2005 terem jogado pedras nos outros soldados israelenses para que eles pudessem culpar os palestinos, como desculpa para reprimir os protestos pacíficos dos palestinos.

(35) A polícia de Quebec admitiu que, em 2007, bandidos que transportam pedras para um protesto pacífico eram policiais à paisana, na verdade…(e ver este).

(36) Nos protestos do G20 em Londres, em 2009, um membro do Parlamento britânico viu oficiais da polícia com roupas lisas tentando incitar a multidão à violência.

(37) os políticos egípcios admitiram (e ver este) que os funcionários do governo saquearam o museu e artefatos inestimáveis ​​em 2011 para tentar desacreditar os manifestantes.

(38) Um coronel do exército colombiano admitiu que sua unidade matou 57 civis, em seguida, vestiu-os com uniformes e alegou que eles eram rebeldes mortos em combate.

(39) O escritor altamente respeitado ao Telegraph Ambrose Evans-Pritchard disse que o chefe da inteligência saudita – Príncipe Bandar - recentemente admitiu que os controles do governo saudita são de "chechenos" terroristas.

(40) Fontes do alto nível americano admitiram que o governo turco - um país companheiro da OTAN - realizaram os ataques de armas químicas atribuídos ao governo sírio; e um político turco do alto escalão admitiu também em planos gravados á realizar ataques e culpar o governo sírio.

(41) O ex-chefe de segurança ucraniano admite que os ataques de atiradores furtivos que inicio o golpe de Estado ucraniano foram realizados a fim de acusar outros.

(42) a agência de espionagem da Grã-Bretanha teve admitindo (e ver este) que realizava ataques de "falsa bandeira digital" em alvos, enquadrando as pessoas e escrevendo material ofensivo ou ilegal ... e culpando-os.

Além disso, dois terços da cidade de Roma foi incendiada em um grande incêndio em 19 de julho, 64 dC, O povo romano culpou o Imperador Nero de iniciar o fogo. Alguns líderes romanos - incluindo o cônsul romano Dião Cássio, bem como historiadores como Suetônio - concordaram que Nero começou o fogo (baseado em grande parte no fato de que o Senado romano tinha acabado de indeferir no pedido da Nero para limpar 300 acres em Roma para que ele pudesse construir um complexo palaciano, e que o fogo lhe permitiu construir o seu complexo). Independentemente de quem realmente começou o fogo, Nero - em face da opinião pública acusando-o de incendiário – ele falsamente culpou os cristãos. Ele, então, prendeu e brutalmente torturou e assassinou dezenas de cristãos por algo que eles provavelmente não fizeram.

Nós não incluí-lo na lista acima, porque - se Nero fez acender o fogo de propósito - ele fez isso por suas próprias razões (para construir o seu complexo palaciano), e não por razões geopolíticas que beneficiam sua nação.

Então comum ... Há um nome para isso

O uso do truque do agressor é tão comum que recebeu um nome de centenas de anos atrás.

"Falsa bandeira terrorista" é definido como um governo atacando seu próprio povo, então culpa os outros, a fim de justificar a entrada na guerra contra o povo ele responsabiliza. Ou, como Wikipedia define:

Operações clandestinas são operações secretas realizadas pelos governos, empresas ou outras organizações, que são projetados para aparecer como se eles estão sendo realizadas por outras entidades.

"Uma história de falsos ataques usada para manipular as mentes das pessoas! "Nos indivíduos, demência é rara; mas em grupos, partidos, nações e em épocas, é a regra. " - Friedrich Nietzsche

"Por que, claro, as pessoas não querem a guerra ... Mas afinal de contas, são os líderes do país que determinam a política, e é sempre uma simples questão de arrastar o povo, se é uma democracia ou uma ditadura fascista , ou um parlamento ou uma ditadura comunista ... voz ou sem voz, as pessoas sempre podem ser trazidos para a licitação dos líderes. Isto é fácil. Tudo que você tem a fazer é dizer-lhes que estão sendo atacados, e denunciar os pacifistas por falta de patriotismo e expor o país ao perigo. Ele funciona da mesma em forma em qualquer país. " - Hermann Goering, líder nazista.

"A maneira mais fácil de ganhar o controle de uma população é a realização de atos de terror. [O público] vai clamar por tais leis se a sua segurança pessoal estiver ameaçada ". - Josef Stalin

Edição e tradução: Valter J.Amorim (Aquárius 2036)

Fonte: www.washingtonsblog.com/


Postagens Relacionadas:

Falsos ataques terroristas(Falsa bandeira)

A Farsa dos Três Adolescentes Judeus Mortos

Fora Dilma, PT e Bem vindo á uma Nova Ordem Mundial (Illuminati)

As Invasões e Golpes dos Estados Unidos da América pelo mundo

Manifestações 2015, Golpistas em prol da Soberania Americana (EUA)

Estados Islâmicos, criado pelos EUA e Sionista para domínio do mundo Árabe

0 comentários:
Postar um comentário

Fica-se aos leitores cientes de que algumas postagens, principalmente do Administrador, Valter J.Amorim, estão sujeitas á alterações ou atualizações, de informações !