Digite seu E-mail:

Assine o Feed

Livros Escolares Israelenses ensinam os jovens a odiar os Palestinos

Livro-escolares-Racistas

No auge da brutal ataque de Israel 2008-09 à Faixa de Gaza, a então ministra-estrangeira, Tzipi Livni, afirmou "os palestinos ensinavam seus filhos a odiar-nos e nós ensinamos a amar o teu próximo" (232).

A primeira parte deste mito é propagado por pessoas como secretária de Estado americana , Hillary Clinton , e, mais recentemente, Newt Gingrich, que tanto espalhou a alegação infundada de que os livros escolares palestinos ensinam o anti-semitismo. Esta calúnia originou a propagandandistas anti-palestinianos, por exemplo em bases como do colono israelense Itamar Marcus e seu "Palestinian Media Watch."

Destruindo um Mito

Raciosmo-Livro-israelenses

Em um recente livro, “Palestina nos livros escolares israelenses, de Nurit Peled-Elhanan, uma professora israelense de linguagem e educação da Universidade Hebraica de Jerusalém e um ativista dos direitos humanos. Enterra a parte deste mito de uma vez por todas.

Peled-Elhanan examina 17 manuais escolares israelenses sobre história, geografia e estudos cívicos. Suas conclusões são uma acusação ao sistema de doutrinação israelense e seu cultivo do racismo anti-árabe desde tenra idade:

"As pessoas realmente não sabem o que seus filhos estão lendo nos livros didáticos", disse ela. "Uma questão que incomoda muitas pessoas é como você explica o comportamento cruel de soldados israelenses para com os palestinos, uma indiferença ao sofrimento humano, á infligir sofrimento. As pessoas perguntam como podem estes meninos judaicos agradáveis ​​e meninas se tornam monstros, uma vez ao vestir um uniforme. Eu acho que a principal razão para isso é a educação. Então, eu queria ver como os livros escolares representam os palestinos ".

Nurit-Peled-ElhananE cinco anos em pesquisas nestes livros ela descobriu como a política sionista pelo racismo está na verdade á preparar jovens para o serviços militares e isso é preocupante !

Essa ideologia anti-palestino nas mentes da juventude de Israel é alcançado nos livros através da utilização da ausência e exclusão: "nenhum dos livros didáticos aqui estudada inclui, seja verbal ou visualmente, qualquer aspecto cultural ou social positivo do mundo e vida palestina : nem na literatura, poesia, história, agricultura, arte, arquitetura, costumes, nem as tradições são mencionados "(49).

América e Israel

america-investe-israel

Ela também acusa George W. Bush,Tony Blair, e Ariel Sharon de estrarem por trás desta política de desinformações. E ainda afirmou:

Disse Ela: " Os Americanos fornecem 1.000 mil dólares por dia para manter este regime de ocupação, racismo e a supremacia ".

Em entrevista na quarta sessão internacional do Tribunal Russell sobre a Palestina (RTOP), em Nova York, 06-07, novembro de 2012, ela declarou:

“Como israelense é muito doloroso para mim para perceber que Israel se tornou o sinônimo de opressão, tirania, apartheid e do racismo cruel, e que a Estrela de David é igualada diversos comícios em todo o mundo com a suástica. Eu desejo que este tribunal vai incentivar as pessoas a levantar-se e ir para Gaza - a cidade de abate - ou para qualquer outra cidade da opressão na Palestina para ver com seus próprios olhos os guetos terríveis em que o povo palestino são encarcerados, casar, ter famílias , educar seus filhos e levar um dia impossível a-dia. Espero que as pessoas livres do mundo possam ter a coragem de vir para o meu país e desafiar todos os bloqueios e muros altos e não desistir até que todas as barreiras sejam quebradas e a dignidade humana é restaurada. Mas o cerco de Gaza é apenas um dos muitos cercos impostas hoje no mundo pelas potências democráticas, bem como por aqueles não-democráticos. Todos esses cercos são voltados para um propósito: para silenciar a voz da liberdade e da justiça.”

Marginalizados e Demonizado

crianas-palestinas-pedradas-tanques

Nas ocasiões palestinos (incluindo cidadãos palestinos de Israel ) são mencionadas, em uma luz extremamente negativa, orientalista e humilhante:

"todos [os livros] os [palestinos] são representados em ícones ou imagens racistas classificatórios e humilhantes, como;  terroristas, refugiados e primitivos agricultores - três "problemas" que se constituem para Israel "(49).

E é assim como os palestinos são vistos em Nossa sociedade hoje.

"Por exemplo, em MTII [Modern Times II, um livro de História 1999] existem apenas duas fotografias de palestinos, uma das crianças palestinas coberto de cara atirando pedras" em nossas forças "... [o] outra fotografia é de 'refugiados' ... colocados numa rua sem nome "(72).

Eles são vistos como baratas, bichos, criaturas que devem ser erradicadas. E também incapazes de cuidar de seus filhos, por muitos envia-los as ruas para jogarem pedras no Exército israelense!

Segundo Peled-Elhanan " estes são termos estratégias de representação negativa.

" Ela explica que "os palestinos são muitas vezes referidos como" o problema palestino. '"Embora esta expressão é ainda usado por escritores considerados" progressistas ", o termo" era saliente no ideologia de extrema-direita e ultra-propaganda de Meir Kahane , "o político israelense tardio e rabino que clamou abertamente para a expulsão dos palestinos. Peled-Elhanan acha isso preocupante, já que isso vem ocorrendo "apenas 60 anos depois que os judeus foram chamados de" o problema judeu '"(65).

As justificativas para massacre

Massacre-Deir-Yassin

Peled-Elhanan conclui: "Os livros estudados aqui apresentam a cultura israelense-judaico como superior ao árabe-palestino" (230).

Enquanto os crimes de guerra israelenses não são inteiramente ignorados, os livros didáticos fazem o seu melhor para minimizar ou justificar os massacres e de sua limpeza étnica.

"[A] versão israelense dos eventos são apresentados como fatos objetivos, enquanto as versões palestino-árabe são demonstrados como possibilidade, realizado em aberturas tais como" De acordo com a versão árabe '... [ou]' Dier [sic.] Yassin tornou-se um mito na narrativa palestina ... uma imagem negativa horrível do conquistador judaica aos olhos dos árabes de Israel "(50-1).

Deir Yassin era uma aldeia palestina, onde, em 1948, um massacre notório de cerca de 100 pessoas por terroristas das milícias sionistas Irgun, Lehi e Haganá ocorreu. No entanto, nota-se no exemplo acima a imagem negativa de Israel que é "horrível". O massacre de homens desarmados, mulheres e crianças não seria um caso de motivo de preocupação.

Educação israelense indo para trás

catastrofe-1948-nakba

Com referência a estudos anteriores de manuais escolares israelenses, Peled-Elhanan constata que, apesar de alguns sinais de melhoria na década de 1990, os livros mais recentes por ela examinados, se alguma coisa piorou, é a questão da Nakba, a expulsão forçada de palestinos da sua terra natal em 1948, é que em sua maior parte não é ignorada, mas em vez disso justificada.

Por exemplo, em todos os livros que citam Deir Yassin, o massacre é justificada porque:

"o massacre de palestinos positivamente provocou a fuga de outros palestinos, permitiu o estabelecimento de um Estado judeu coerente" - um resultado tão auto-evidentemente bom, sem a necessidade de explicar (178).

Ao contrário do que a esperava de estudos anteriores "para" o aparecimento de uma nova narrativa nos livros de história [israelenses]

"... alguns dos livros mais recentes escolar (2003-09) regridem para o 'primeira geração' [1950] conta - quando em arquivos de informações é menos acessados - e são, como eles "repleta de preconceitos, erros, [e] deturpações '" (228).

Há alguma edição desleixada aqui, e o jargão acadêmico às vezes escorrega para o reino da mistificação. Mas essas querelas de lado, o livro de Peled-Elhanan é a conta definitiva de como crianças em idade mínimas em escolar israelense são manipuladas por lavagens cerebrais por parte do Estado e da sociedade em ódio e desprezo de palestinos e árabes, imediatamente antes do momento em que devem entrar no exército como jovens recrutas.

Perguntado se os livros escolares palestinos também refletem um certo dogma, Peled-Elhanan afirma que eles distinguir entre sionistas e judeus. "Eles fazem essa distinção o tempo todo. Eles são contra os sionistas, não contra os judeus."

Muito além do Coração

Sobre Nurit Peled-Elhanan seu pai era um sionista, mas seus filhos foram capazes de ver claramente os resultados desastrosos das políticas sionistas. Seu irmão Miko Peled tem falado bravamente contra a ocupação e criticou os crimes sem fim contra a humanidade e o sofrimento dos palestinos oprimidos, com discursos surpreendentes, em livros.

Nurit-Peled-Elhanan-SmadarEm 1997, a filha de Peled-Elhanan , Smadar foi morta por um homem-bomba palestino enquanto fazia compras em Jerusalém. Ela tinha 13 anos se as vezes recusa a falar sobre assunto, quando as vezes se refere á "tragédia".

Na época, ela disse que iria reforçar a sua convicção de que, sem uma solução para o conflito e convivência pacífica com os palestinos, mais crianças morreriam.

"Ataques terroristas como este são a consequência direta da opressão, escravidão, humilhação e estado de imposto aos palestinos", ela disse aos repórteres de TV na época da morte de Smadar.

Mesmo assim Miko e Nurit continuaram altruístas, sem desenvolver o sentimento de vinganças e revides, arregimentado mais forças em sua buscas por justiça pela verdade que vai muito além das raças, cor e credos.

Fonte: The Electronic Intifada

Mais: Book review: how Israeli school textbooks teach kids to hate


Postagens Relacionadas:

Ex-Presidente Jimmy Carter denúncia Política inescrupulosa de Israel para com Palestinos

A Farsa dos Três Adolescentes Judeus Mortos

Um passageiro do Voo da Malaysia Teria enviado sua localização !

0 comentários:
Postar um comentário

Fica-se aos leitores cientes de que algumas postagens, principalmente do Administrador, Valter J.Amorim, estão sujeitas á alterações ou atualizações, de informações !