Digite seu E-mail:

Assine o Feed

Destruição do Meio Ambiente e o Colapso de Civilizações

A Destruição do Meio Ambiente

meioambiente

Não faltam exemplos sobre as consequências devastadoras para o homem quando ele explora os recursos naturais sem observar que estes são limitados. Num passado não muito distante, se deu o Colapso civilizações inteiras pagaram um preço muito alto por não terem considerado a hipótese do esgotamento dos recursos naturais.

Um dos exemplos mais conhecidos vem da isolada Ilha de Páscoa, no oceano Pacífico, a 3.700 km da costa chilena e com área de 117 km2. Neste lugar, viveu uma civilização de cultura extraordinária que foi capaz de construir estátuas gigantes, com 10 metros de altura, os moais, e desapareceu por volta do ano de 1600 pelos motivos que hoje, com ajuda da ciência, conhecemos muito bem.

No início, quando supostamente de forma acidental, os primeiros habitantes chegaram na ilha, serviram-se à vontade dos limitados recursos naturais ali disponíveis. Então, a população aumentou e, à medida que os recursos naturais iam se esgotando, a gostosa vida deles no paraíso, repleta de prazer, começava a mudar. As extravagantes e animadas festas foram aos poucos se transformando em sangrentos conflitos pela disputa de alimentos, cada vez mais escassos.

easterisland_420x290

Devastaram toda a exuberante floresta que cobria a ilha, queimando até o último pau de lenha; devoraram todos os bichos, nem as aves marinhas devem ter escapado; esgotaram completamente os recursos pesqueiros; e, de acordo com estudos científicos, os últimos habitantes praticaram o canibalismo, ou seja, matavam outras pessoas para poderem se alimentar. A ilha permanece até hoje como eles deixaram, completamente devastada e com aquelas estátuas gigantes postadas de frente para o oceano como quem quer nos dar um recado: "Psiu! Os recursos naturais são finitos!"

Outro exemplo é o de Pueblo - povoado ou vila - Chaco Canyon, no deserto de Novo México, EUA. O lugar era habitado pelos índios Anasazi que viveram ali entre os anos de 850 e 1250. Sua arquitetura era surpreendentemente muito avançada para a época. Uma de suas construções para moradia (uma espécie de prédio de apartamentos) foi a maior já feita pelo homem (para habitação) até o final do século 19, ou seja, a obra deles permaneceu na vanguarda por 600 anos! Pueblo Bonito, o maior "edifício", tinha 800 cômodos e 43 salões de cerimoniais, sendo 3 deles bem grandes. Estima-se que nesta construção podiam morar 2 mil pessoas e que a população deles chegou aos 6 mil habitantes, que ocupavam também os "edifícios" menores.

mesa-verde-300x233

Em suas obras monumentais, os Anasazi consumiram 215 mil troncos de árvores e 50 milhões de pequenos blocos de pedra, caprichosamente cortados e aparados para encaixe. Por muito tempo os cientistas ficaram intrigados pelo fato desses índios terem ido morar no meio do deserto. E por que eles desapareceram? E toda essa madeira, como conseguiram? A floresta mais próxima fica a centenas de quilômetros. Hoje, sabemos o que aconteceu. No lugar havia uma imensa floresta, cheia de animais e com muita água brotando por todos os lugares. Em 400 anos eles conseguiram destruir tudo.

Para atender a demanda crescente da população que não parava de aumentar, tiveram que intensificar os desmatamentos para agricultura e consumo da madeira (para lenha e seus colossais "prédios de apartamentos"). Com isso, eles conseguiram rebaixar o lençol freático por vários metros, razão pelo qual a água acabou e todo o vale verdejante se transformou num imenso deserto, herdado pela atual geração de norte-americanos e que será assim repassado para as gerações futuras. Há indícios de que conflitos violentos e canibalismo antecederam os dias finais da civilização Anasazi. Bom, chega desses exemplos que estão distantes. Vamos nos preocupar com a nossa mata Atlântica, afinal de contas não queremos ficar sem água.

Registros da nossa história revelam que o sistema de abastecimento de água da cidade do Rio de Janeiro entrou em colapso já no início do século 19, de acordo com o livro "Floresta da Tijuca", publicado em 1966, pelo Centro de Conservação da Natureza, do qual também foram extraídas as informações descritas a seguir. Em 1817 e 1818 o governo baixou severas leis punitivas contra os desmatamentos dos morros para proteger os mananciais, pois naquela época já sabiam que essa era a solução para o problema, já que havia sido tentado de tudo: mudado os pontos de captação nos rios, ampliado os aquedutos etc.

Floresta da Tijuca5

No entanto, as leis não eram cumpridas e as plantações de café avançavam os morros na região de mananciais, sendo a floresta da Tijuca a principal delas, que não chegou a ser totalmente destruída. Num relatório do ministro da Pasta de Negócios do Império, em 1850, é mencionado o seguinte: "Pequenos trechos dessas terras permanecem cobertos de mata primitiva, ao passo que a maioria das florestas protetoras dos demais mananciais da Tijuca já havia desaparecido, pondo em risco constante o abastecimento". Com a seca que assolou o Rio de Janeiro em 1844, o problema da falta de água agravou-se e, então, o governo decidiu tomar medidas mais concretas para proteger os mananciais. Neste ano, no relatório do ministro Almeida Torres, pedia-se, entre outras coisas, providências urgentes visando à conservação da mata Atlântica das Paineiras e da Tijuca, em toda a sua extensão das cabeceiras e vertentes dos rios Carioca e Maracanã.

O ministro sugeria que se "proibisse eficazmente" a continuação dos desmatamentos. Houve, nesta época, reiteradas ordens expressas do Imperador para que a polícia imperial agisse com rigor contra os desmatamentos.

Entretanto, as ações mais significativas para proteger a mata Atlântica da Tijuca foram do ministro da Pasta do Império, Luis Pereira do Couto Ferraz, o Visconde de Bom Retiro, a partir do ano de 1854. Foi o Visconde de Bom Retiro que iniciou as desapropriações da área onde hoje temos a exuberante Floresta da Tijuca. Naquela época as desapropriações foram consideradas como a única maneira eficaz de se proteger os mananciais, já que as leis não pegavam.

Está registrado (em 1855) nos documentos deixados pelo ministro Bom Retiro: "A existência de tais propriedades particulares em tais paragens não só é uma ameaça constante à conservação das matas como prejudica grandemente a pureza das águas". Bom Retiro defendeu a floresta da Tijuca de forma apaixonada. Por ocasião de seu falecimento, o Imperador D. Pedro II disse as seguintes palavras: "Foi o homem de consciência mais pura que conheci em toda a minha vida".

Vista do Morro do Queimado

Obviamente, não está se defendendo aqui a desapropriações das áreas de mananciais. A intenção é apenas exemplificar que este tipo de preocupação não é nenhuma novidade surgida em nossos tempos. Contudo, não devemos repetir os erros dos habitantes da Ilha de Páscoa ou da civilização Anasazi.

Temos que refletir sobre tudo isso e efetivamente proteger os remanescentes de floresta da nossa região, sobretudo na serra do Mar, onde brota a maior parte da nossa água. De sobra, estamos protegendo uma das maiores diversidades de formas de vida encontrada em todo o planeta Terra, da qual devemos ter orgulho e responsabilidade também. Nossa região ainda abriga animais raros, já extintos em quase toda a extensão da mata Atlântica que é considerada pela UNESCO, com base em dados científicos, como um dos ecossistemas mais importantes do mundo para ser protegido. Podemos dar um exemplo para o mundo de que temos a consciência da importância de protegermos nosso patrimônio natural para as gerações futuras.

sambaki

Os povos dos sambaquis e a mata Atlântica

Quando os portugueses pisaram aqui pela primeira vez, em 1500, não imaginavam que aquele cenário paradisíaco em sua volta, a exuberante mata Atlântica, já teria levado ao colapso uma civilização inteira cerca de três mil anos antes. Trata-se dos povos dos sambaquis, que apresentavam características mongólicas, isto é, face larga, nariz achatado e olhos puxados e habitaram nosso litoral entre 3 mil e 5 mil anos atrás, de acordo com os estudos dos fósseis encontrados. Os sambaquis nada mais são do que montes de conchas de ostras, uma espécie de ?lixão?, deixados por estes nossos irmãos brasileiros da pré-história e concentram-se principalmente no litoral de São Paulo até Santa Catarina.

Além das conchas de ostras, são encontrados também diversos objetos fabricados, cascas de siris e caranguejos, muitos esqueletos de animais e de humanos, revelando que os povos dos sambaquis costumavam enterrar seus mortos nestes locais. Apesar da importância científica dos sambaquis ser reconhecida desde 1845, sua destruição foi quase total ? e, lamentavelmente, continua até os dias atuais. Estas montanhas de conchas eram utilizadas para fabricação de cal, atividade que foi proibida em São Paulo em 1952 e no restante do País em 1961.

sambakis

Da mesma forma que o lixão de uma cidade revela o nível cultural e os hábitos das pessoas, os sambaquis nos fornecem muitas informações sobre a cultura, religião, hábitos alimentares, ? tecnologia? etc. desses habitantes da nossa pré-história. Descobriu-se, por exemplo, que eles usavam fragmentos de ossos para fabricarem pontas de flecha e anzóis e que já dispunham também de ? tecnologia? para captura de peixes e animais grandes, pois nos sambaquis são comuns os esqueletos de cações e golfinhos.

Os sambaquis apresentam uma particularidade comum em suas estruturas: na base encontram-se conchas de ostras bem grandes e o tamanho delas vai diminuindo à medida que a altura do monte aumenta; nas camadas superiores estão depositados outros tipos de conchas de organismos não muito apetitosos e uma maior quantidade de restos de peixes, caranguejos do mangue etc. Métodos científicos de datação revelam que, em média, o monte de conchas levava 40 anos para ser formado e que muitos anos depois alguns sambaquis passavam a receber novamente o depósito de conchas de ostras grandes no topo, mas só numa pequena quantidade e num período bem curto.

Nossos irmãos brasileiros da pré-história não figuraram entre os povos mais avançados da Terra daquele período, contudo eles nos deixaram uma mensagem muito importante, um alerta, que todos nós deveríamos levar a sério: os recursos naturais da mata Atlântica são limitados. As evidências científicas demonstram que para sobreviver como simples coletores os povos dos sambaquis aniquilavam quase todas as formas de vida de uma região (desde ostras até peixes, aves e mamíferos, mas comiam também frutas e raízes), depois, partiam para outra região, devoravam tudo e assim por diante. Ou seja, eles iam esgotando os recursos naturais nas regiões por onde passavam e não se davam ao luxo de rejeitar nem saracuras e garças, pois ossos dessas aves são comuns de serem encontrados nos lixões deles. Estes brasileiros, habitantes da mata Atlântica, viveram assim por quase 2 mil anos para, então, a civilização deles entrar em colapso e ser extinta.

O modo de vida do homem dos sambaquis é o que mais se aproxima da interpretação que fazem por aí do conceito de uso sustentável dos recursos naturais, e não deu certo, embora a sociedade deles tenha durado, pelo menos, dois mil anos. E a nossa sociedade, atual ocupante da mata Atlântica, quanto tempo durará ? Temos hábitos de consumo devastadores, que geram toneladas de lixo todos os dias, poluem os rios e o solo com produtos tóxicos e consomem recursos naturais numa escala assustadora, um modo de vida muito, e muito, longe, portanto, de ser sustentável. Além disso, nossa população atinge números alarmantes, passamos dos 180 milhões (a dos povos dos sambaquis nunca chegou a ser muito numerosa, segundo os especialistas), o que aumenta ainda mais os desafios para alcançamos a tão necessária sustentabilidade.

Já arrasamos a mata Atlântica: em apenas 40 anos desmatamos mais do que se desmatou na Europa em 2 mil anos; em nenhum momento da história da humanidade se desmatou tanto como no Brasil nestes últimos anos. A ciência consegue prever as conseqüências trágicas dessa insanidade: além da brutal perda de biodiversidade estamos arruinando nossos recursos hídricos, tão estratégicos para o desenvolvimento das cidades, com um mínimo de qualidade de vida.

Restam apenas vestígios da mata Atlântica. É inadmissível que medidas efetivas para tentar salvar estas últimas áreas, como a criação de unidades de conservação (parques nacionais, por exemplo), sofram tanta resistência por parte dos degradadores. Usam argumentos de que isso vai travar o desenvolvimento, como se a destruição, por exemplo, do que sobrou da majestosa floresta de araucárias, zero vírgula alguma coisa por cento da floresta original, seja imprescindível para resolver os problemas econômicos do País.

Vale a pena conhecer o museu do sambaqui em Joinville e também visitar algum dos sambaquis que milagrosamente escaparam da destruição - tanto em Joinville como no litoral paulista há ainda muitos deles -, para contemplá-los e fazer uma profunda reflexão sobre nossa relação com outras formas de vida com as quais devemos compartilhar o meio ambiente.

Por :Germano Woehl Jr. Instituto Rã-bugio para Conservação da Biodiversidade www.ra-bugio.org.br tel. (12) 3947-5424 ou (47) 373-3087 e-mail: germano@ra-bugio.org.br GUARAMIRIM, SC

Fonte: http://www.midiaindependente.org

0 comentários:
Postar um comentário

Fica-se aos leitores cientes de que algumas postagens, principalmente do Administrador, Valter J.Amorim, estão sujeitas á alterações ou atualizações, de informações !